Logo ETFs BrasilLogo ETFs Brasil
Ícone do botão de destaqueSimulador de Portfólios
Artigos

Investindo em ETFs de Micro e Small Caps: Analisando o Desempenho do TRIG11 em 2023

TRIG11: ETF de Micro e Small Caps de melhor desempenho da bolsa. Conheça seus destaques!

Em um cenário desafiador para captação de fundos de investimento, é interessante observar o fluxo de capital em direção aos ETFs de Micro e Small Caps. Esses fundos têm despertado o interesse dos investidores, principalmente devido ao desempenho positivo e à diversificação oferecida por empresas de menor capitalização de mercado.

Neste artigo, vamos explorar o desempenho dos ETFs de Micro e Small Caps, com destaque para o ETF TRIG11, que vem apresentando retornos impressionantes em 2023.

Desempenho do TRIG11 em 2023:

No mês de maio de 2023, o ETF TRIG11 se destacou como o melhor desempenho entre todos os ETFs e BDRs de ETFs da bolsa, com uma valorização de 19,7%. Mas o sucesso não parou por aí, pois o fundo continuou superando e acumulando um retorno de 29,7% desde o início de maio até o dia 14 de junho.

Ao analisar o desempenho do TRIG11 em comparação com outros ETFs de Micro e Small Caps, fica evidente sua liderança em termos de retorno. O fundo superou seus concorrentes apresentando um desempenho cerca de 1,7 vezes maior do que os demais ETFs com estratégias semelhantes. Nos últimos 12 meses, o TRIG11 também se mostrou mais resiliente, com uma valorização de 20,5%, em comparação com a média de 14,5% dos demais fundos de small e micro caps.

Desvendando o retorno do TRIG11: Beta

O impressionante desempenho do TRIG11 não se deu apenas por acaso. Uma análise mais aprofundada revela a origem dos retornos do fundo: o alto beta.

O beta é um coeficiente que mede a sensibilidade do preço de uma ação em relação aos movimentos do mercado. Um beta maior que 1 indica que a ação é mais volátil do que o mercado, o que pode resultar em um desempenho superior em momentos de retomada da bolsa.

O TRIG11 apresentou um beta de 1,23 em 2023, enquanto a média dos demais ETFs referenciados no Índice de Small Caps foi de 1,10. Isso significa que em momentos de retomada do mercado o TRIG11 tende a performar melhor do que a média. Mas o inverso também é verdadeiro. Caso o mercado esteja em movimento de queda, o TRIG11 tende a apresentar um retorno pior do que a média do mercado.

Conheça os setores e ativos que mais contribuíram para a performance do TRIG11

3 setores merecem destaque no desempenho do TRIG11 entre o início de maio e 14 de junho. Dos 29,7% de retorno acumulado desde o início de maio até 14 de junho, 12,2% foram provenientes do setor de serviços, 5,7% do setor industrial e 4,5% do setor de comércio. Esses setores desempenharam um papel crucial no resultado positivo do fundo.

Dentre os ativos presentes no portfólio do TRIG11, alguns se destacaram com uma valorização expressiva durante o período em análise.

  • Yduqs Participações (YDUQS3) teve um desempenho impressionante, com um retorno de 120,9% desde o início de maio até o dia 14 de junho.
  • C&A modas (CEAB3), com uma valorização de 87,8%; e Locaweb (LWSA3), com retorno de 76,8% também apresentaram um crescimento significativo nesse mesmo período.

Esses ativos foram os principais impulsionadores do excelente desempenho do TRIG11.

Melhores e piores desempenhos por empresa


Redução da taxa de administração do TRIG11:

Se você está considerando investir em small caps, temos uma notícia boa para você. Recentemente, houve uma diminuição na taxa de administração do TRIG11, que passou de 0,6% para 0,4%. Essa redução torna o TRIG11 mais competitivo em termos de custos quando comparado ao SMAL11, que possui uma taxa de administração de 0,5%. Dessa forma, o TRIG11 oferece aos investidores uma opção com menor custo para investir no mercado de Micro e Small Caps.

Sobre o TRIG11:

O TRIG11 é referenciado pelo Índice Teva Ações Micro Caps, que é o único índice que cobre a cauda longa da bolsa brasileira. Ele seleciona empresas que representam de 0 a 5% da capitalização total da bolsa, oferecendo uma estratégia complementar ao Ibovespa. Com apenas 2,1% de sobreposição com o Ibovespa, em comparação com 7,1% do Índice de Small Caps, o TRIG11 oferece acesso focado às menores empresas da bolsa.

O fundo é gerido pela Trígono Capital, com o BTG Pactual como administrador e o Credit Suisse como formador de mercado.

Para acompanhar a performance e conferir mais informações sobre o ETF, acesse a página do TRIG11 no ETFs Brasil.

Conclusão:

O ETF TRIG11 tem se destacado como uma opção para investidores interessados em Micro e Small Caps. Com desempenho superior em comparação com outros ETFs do segmento e uma redução na taxa de administração e exposição mais focada, o TRIG11 se posiciona como uma opção para aqueles que buscam investir em ações de micro e Small Caps.

Voltar

Assine a newsletter do ETFs Brasil

Para receber estudos e novidades, deixe seu contato abaixo.